Friday, March 16, 2007

Aligátor


Notas descritivas:
Quando adultos, os machos podem atingir 4,5 metros de comprimento; as fêmeas são mais pequenas, atingindo 3 metros de comprimento máximo. A cabeça é relativamente larga e achatada, o focinho é arredondado e o quarto dente da mandíbula inferior fica oculto quando o animal fecha a boca, sendo esta uma das características que facilmente distinguem os aligátores (família Alligatoridae) dos crocodilos (família Crocodilidae). Os crocodilianos, em geral, têm dentes cónicos e afiados; possuem, normalmente, 28 a 32 dentes na mandíbula inferior e 30 a 40 dentes na mandíbula superior; assim, um adulto pode ter cerca de 70 a 80 dentes. A pele é cinzenta ou negra e está coberta por escamas e placas córneas. Apresentam membranas entre os dedos (membranas interdigitais) e fortes garras. A cauda é achatada lateralmente.
Alimentação:
Os juvenis alimentam-se de invertebrados (insectos e crustáceos), peixes e anfíbios. Os adultos ingerem, também, serpentes, tartarugas, mamíferos (incluindo crias de bovídeos), aves e cadáveres. Pode ocorrer canibalismo (os adultos podem ingerir juvenis da mesma espécie).
Comportamento:
Os aligátores capturam e dilaceram as presas com os seus dentes afiados, mas não as mastigam, engolindo grandes bocados de carne ou toda a presa de uma vez. Estão mais activos durante o dia. Estes répteis não se alimentam durante os meses mais frios. Em geral, durante o Inverno, hibernam em tocas construídas por eles próprios e sobrevivem à custa das reservas de gordura que acumularam durante o Verão. Estudos feitos em cativeiro revelaram que começam a perder o apetite se a temperatura for inferior a 27ºC e que deixam de se alimentar quando as temperaturas são inferiores a 23ºC. Mesmo a temperaturas negativas, os aligátores conseguem sobreviver deixando apenas as narinas fora de água (em caso de ficarem totalmente cobertos pelo gelo podem passar oito horas sem respirar, devido a uma grande redução da taxa metabólica). Existem registos de ataques a humanos, embora estes sejam relativamente pouco frequentes e normalmente ocorram como forma de “defesa” do território ou da prole.
Reprodução:
É uma espécie ovípara. Os acasalamentos ocorrem no fim da estação seca ou no princípio da estação húmida. Os machos atraem as fêmeas fazendo vibrar a água sobre o dorso, com o auxílio das respectivas escamas. O ritual de acasalamento é normalmente iniciado pela fêmea. Neste ritual, que pode durar horas, os parceiros empurram-se mutuamente e cada um pressiona cabeça e o pescoço do outro, de modo a avaliar a sua força. O acasalamento ocorre na água. Existe poligamia (o macho acasala com mais do que uma fêmea durante a mesma época reprodutora). A fêmea constrói um ninho de lama e vegetação apodrecida, num local abrigado próximo da margem, onde deposita 20 a 60 ovos (em média, 35 a 40). O período de incubação é de cerca de 65 dias. A progenitora guarda o ninho durante este período e depois da eclosão acompanha as crias durante um a três anos. Contudo, apesar da sua protecção atenta, os juvenis são muitas vezes caçados por guaxinins, aves, grandes peixes e outros aligátores adultos. Os aligátores atingem a maturidade sexual com um comprimento médio de 1,9 metros, isto é, entre os sete a 15 anos de idade, nos machos, e entre os nove a 18 anos de idade, nas fêmeas (o crescimento é mais rápido nos machos e nas zonas mais a sul da área de distribuição desta espécie).

3 comments:

Alexandre said...

Sempre confundi os crocodilos com os aligatores, mas com este post fico super esclarecido.

Obrigado, Patrícia!


Bom fim.de-semana!!!!!

Tiago Mendes said...

Talvez o pst tenha sido um pouco confuso, mas esclareceu-me algumas duvidas! ;)
Parabêns pelo post ;)

Tiago =)

henrikossauros said...

Senpre gostei de aligatores, e também me faz lembrar Velociraptores (que são dinossauros) por causa da palavra que é parecida!!




O blog é muito bom,
CONTINUA ASSIM!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!